Home
Quero saltar
Os Pára-quedistas
Actualidades
Contributos
Tradições e símbolos
Curso de pára-quedismo
A Boina Verde
Cartões, Diplomas e afins
Outros símbolos
Cancioneiros
Lemas
Úteis
Historial
Galeria fotográfica
Fórum pára-quedista
Livro de visitas

A Boina Verde

Instrutor impôe a merecida Boina VerdeEmbora em 1952 tenha sido publicada legislação que previa a eventualidade de poderem ser integradas nas forças aéreas em operações, fazendo ou não organicamente parte delas, unidades de pára-quedistas, só em 1955 foram criadas  as Tropas Pára-quedistas.
Com efeito, em 23 de Novembro de 1955. foi publicado o Decreto-Lei nº 40394 que, na dependência do Subsecretário de Estado da Aeronáutica, em ligação com o Ministério  do Exército, organizava junto de uma das bases aéreas um centro de formação  e  treino de caçadores pára-quedistas, integrando as unidades de tropas desta especialidade cuja constituição fosse determinada pelas circunstâncias. Na mesma data o Decreto-Lei n° 40395 regulava  a Organização, Recrutamento e Serviço das Tropas Pára-quedistas, criando assim o Batalhão  de Caçadores Pára-quedistas. O artigo 20º deste Decreto-Lei determinou, pela primeira vez em Portugal (4),  o uso de uma boina como artigo de fardamento.  A Boina Verde, destinada a substituir o barrete nº 1 e o barrete de campanha, para os militares especializados em pára-quedismo. Não só se assistia à criação de  um novo artigo de fardamento, como se dava expressão legal a um símbolo já conquistado e usado  desde  9 de Julho desse ano, por cento e noventa e seis militares portugueses.  Com efeito, de 1951 a 1955, 196 oficiais, sargentos e praças foram qualificados pára-quedistas, após cursos em França e Espanha.

Símbolo da Boina 1955 a 1961

1955 a 1961Em 9 de Julho de 1955, 188 militares portugueses terminam o chamado "Curso de Espanha" na Escola de Pára-quedismo Militar do país vizinho.  Neste dia, e após o último salto do curso, os finalistas receberam os distintivos de pára-quedista militar espanhol ("brevet"), em cerimónia onde, além de altas individualidades militares espanholas, estavam presentes diversos oficiais generais portugueses,  entre os quais o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas. Foi ainda neste dia, 9 de Julho de 1955, que as primeiras boinas verdes, confeccionadas em Portugal e transportadas para Alcantarilla em avião militar da comitiva portuguesa, foram impostas a todos os militares qualificados pára-quedistas, quer em França quer em Espanha.

Símbolo da Boina 1961 a 1966

Em 14 de Agosto de 1955, o Capitão Armindo Martins Videira recebe o Guião do BCP das mãos do Presidente da República Portuguesa, General Craveiro Lopes, após o que todo o Batalhão desfila pela Avenida da Liberdade, em Lisboa, envergando a boina verde e criando uma "sensação invulgar de aprumo e atavio, de força e poder" (5), .


Seria demorado referir agora, exaustivamente, as variadíssimas ocasiões em que os "páras" causaram admiração e espanto, mas também inveja e receios, quando, publicamente, em saltos, desfiles e exercícios demonstraram as suas capacidades, que muito rapidamente se identificavam com a boina verde. Atenda-se ao que o General Piloto-Aviador Edgar Cardoso escreveu, em 1963, no seu livro "Presença da Força Aérea em Angola", e fica-se com uma ideia da reacção das populações perante a actuação dos "páras" no exercício HIMBA, em Angola, em 1959. "Recolhidos os pára-quedas, procedeu-se rapidamente ao reagrupamento da Companhia de Caçadores Pára-quedistas, comandada por um Capitão, que depois desfilou por forma tão notável, pela cadência e ar marcial, que provocou uma calorosa ovação de todos que tiveram o prazer de assistir a esse espectáculo até então inédito em Angola, chegando-se mesmo a ouvir entusiásticos vivas a Portugal."

Símbolo da Boina 1966 a 1994

1966 a 1994Desde 1955 a 1960 os "páras" granjearam a fama de militares de elite,  não só pelas aparições públicas mas também e muito especialmente porque para ser boina verde era necessário (e é!), percorrer um longo e duro caminho desde que o jovem candidato se  submetia  às  provas  de  admissão até que, após o último salto do Curso de Pára-quedismo, passava a usar, por direito próprio, a boina verde. Apesar de tudo isto,   ainda muitos dentro das Forças Armadas Portuguesas punham em causa a validade deste tipo de militares, esgrimindo argumentos diversos que não vem ao caso referir, vindo, no entanto, a situação que se iria viver em África nos anos seguintes a demonstrar, e de que maneira, a validade dos boinas verdes de Portugal.

Símbolo de Boina 1994 a 1995

1994 a 1995A COR VERDE
Em Portugal, o "verde" foi a cor escolhida para a boina dos "páras". Segundo se julga saber (esta cor  foi  determinada  pelo  Ministro  da  Defesa Nacional (em 1955), Coronel Santos Costa.
Perante uma proposta dos "fundadores", em que se sugeria a cor "vermelha" ou ("marrom"), o Senhor Ministro, que tinha por hábito "DAR DESPACHO" com uma caneta de tinta permanente verde, terá escrito mais ou menos isto. "VERMELHO NÃO, QUE SEJA VERDE COMO A TINTA COM QUE ESCREVO ESTE DESPACHO."
Tudo indica que teriam sido razões de ordem ideológica a motivar tal atitude, compreensível numa época em que a cor vermelha estava demasiado conotada com o movimento comunista internacional, inimigo previsível da presença portuguesa em África.
Ao longo destes 48 anos a boina dos pára-quedistas tem sofrido algumas, poucas, ligeiras modificações, tanto ao nível da confecção como dos distintivos. As boinas começaram por ser adquiridas a firmas civis, mas, nos finais dos anos 60, foram distribuídas boinas verdes das OGFE (de qualidade duvidosa, diga-se).  Embora a distribuição oficial fosse a das boinas OGFE, muitos "páras" continuaram a adquirir as suas nas firmas da especialidade.

Símbolo de Boina 1996 a 1997

1996 a 1997A cor verde da boina (e não só), foi oficialmente definida através da Portaria nº 20911, de 16NOV64, que criou a cor "Verde Caçador Pára-quedista". Essa cor nem sempre foi respeitada. Com efeito, desde o início que alguns oficiais e sargentos, especialmente  ou  quase  só, os que frequentaram cursos em França, usavam uma boina francesa de cor verde, mas num tom mais claro do que o oficial. Com a  chegada das boinas OGFE a situação não melhorou, uma vez que  estas debotavam com muita facilidade ficando "acastanhadas" ou "ruças" No período seguinte ao fim da guerra de África, e com os exercícios multinacionais que o CTP incrementou, uma nova "geração", embora mais uma vez se refira que pontual, de boinas verdes apareceu. Além das francesas (Legião, Marinha),  também as belgas (Pára-Comandos), e mesmo americanas (Special Forces), apareceram a ser usadas por páras portugueses. Além de constituir  uma certa marca de individualismo também com este uso se procurava uma boina de qualidade, para fugir às distribuídas oficialmente. Finalmente, em 1988, começaram a ser distribuídas as novas boinas das OGFE, mas com qualidade significativamente melhor do que as anteriores. Desde 1989/90 boinas com origem na firma  "PARAGRUP" estão a ser distribuídas, sendo muito semelhantes às actuais OGFE. Quanto às boinas "importadas" e talvez fruto da melhoria das nacionais, aliadas a directivas rigorosas sobre o seu uso, parecem ter desaparecido.


ÁFRICA: "BOINAS VERDES" EM COMBATE


Após o exercício HIMBA, em Abril de 1959, os "páras" voltaram a pisar o solo africano em Agosto do  mesmo ano quando, na sequência de incidentes ocorridos no porto de Bissau, um pelotão de "páras" para ali foi aerotransportado.  Em fins de 1960, um destacamento de cães de guerra do BCP segue para Angola.      Em Janeiro e Fevereiro de 1961, dois pelotões de "páras" escalam Cabo Verde (Ilha do Sal), Bissau e permanecem em S, Tomé até 22 de Fevereiro, como parte de uma operação para deter o paquete "Santa Maria". A partir desta data seguiram para Lourenço Marques onde chegaram a 23 de Fevereiro, a bordo dos "Nord Atlas" da Força Aérea.


Em 15 de Março de 1961, a União das Populações de Angola, assalta e queima numerosas povoações e fazendas do Norte de Angola, assassinando indistintamente brancos, negros e mestiços de ambos os sexos e de todas as idades. No dia seguinte, 16MAR61, os pára-quedistas seguem para Angola em aviões da Força Aérea Portuguesa. Não mais os Boinas Verdes abandonariam África até 1975, ano em que os primeiros a chegar quando o terrorismo deflagrou foram os últimos a sair quando a antiga província portuguesa de Angola obteve a independência.


Se os fundadores tinham criado a fama, o mito da Boina Verde, os seus sucessores não só mantiveram como, muitas vezes com o sacrifício da própria vida, dilataram o prestígio até aí alcançado. É necessário rever as fotos do Ministro do Ultramar, alto dignitário do Estado a abraçar veementemente soldados pára-quedistas regressados de uma operação, rostos marcados pelo cansaço, barba de dias, camuflados sujos,   mas usando orgulhosamente a boina verde, é necessário rever estas fotografias para perceber o profundo respeito, admiração e gratidão que os "páras" portugueses,  granjearam, fruto do seu comportamento em combate.


Terminadas as operações ofensivas contra os guerrilheiros  (meados  de 1974), passaram os "páras" a assegurar a evacuação, do interior das províncias de Moçambique e Angola para os portos e aeroportos de partida com destino à Metrópole, de militares e civis, brancos e negros portugueses. Também aqui, em situações extremamente difíceis, que, inclusive, custaram a vida a alguns pára-quedistas, a Boina Verde significou para muitos portugueses a única "tábua de salvação".

Símbolo de Boina 1998 a 2003

ORIENTE: MISSÕES HUMANITÁRIAS


Coube às enfermeiras pára-quedistas "abrir e fechar" a presença dos Boinas Verdes portugueses por terras do Oriente.
Em Dezembro de 1961, enfermeiras pára-quedistas participam na evacuação de civis e militares de Goa  para Lisboa, via Karachi, em "Constellation" da TAP. Em Abril de 1962, nova missão de evacuação, desta feita em avião da Union de Transportes Aeriennes, de Goa para Karachi, e daqui para Lisboa em navios da Marinha Mercante nacional.


Em 1975, os pára-quedistas foram chamados a Timor a fim de garantir a segurança e evacuação dos portugueses que ali se encontravam, sendo então criado o Destacamento de Caçadores Pára-quedistas n.o 1 em Dili. Em 1976, sete enfermeiras pára-quedistas dão apoio à evacuação de civis de Timor para Lisboa, via Honolulu e Bali, num "Boeing" da TAP.


1998 a 2003Também no Oriente a boina verde significou apoio e segurança a muitos compatriotas, tendo, inclusive, o Comando Militar de quem dependiam, em Agosto de 1975 na província de Timor, solicitado não o envio de  mais forças militares do Continente, mas, especificamente, de mais pára-quedistas (6),.


CONCLUSÃO
A história das Tropas Pára-quedistas é a história da Boina Verde.
Terminada a guerra no ex-UItramar Português, e durante o período difícil de 1975, o símbolo "BOINA VERDE" foi, sem dúvida, um dos elementos de união decisivos para garantir a continuidade das Tropas Pára-quedistas.
Hoje, a boina verde continua a atrair milhares de jovens que, das cidades, vilas e aldeias de Portugal, vêm nela algo que "mexe com eles". Estas novas gerações devem ser conhecedoras do passado glorioso da boina verde, de modo a que o símbolo mais querido das Tropas Pára-quedistas Portuguesas seja devidamente respeitado e honrado, porque hoje como no passado, a inveja, a maldade, a ignorância e quiçá o medo, dão origem a atentados (perfeitamente evitáveis), que tentam deturpar e diluir o significado profundo da Boina Verde.

Pára-quedista com o novo símbolo de boina

Para além dos camaradas que pereceram na instrução, na execução de saltos de treino e nos exercícios de manutenção operacional, cento e trinta e três morreram e setecentos e trinta e dois ficaram feridos, combatendo nas antigas Províncias Ultramarinas Portuguesas. A boina, que os primeiros iriam conquistar e que os últimos já usavam, é a mesma que hoje usamos: a Boina Verde.


Notas
(1), TAM-o'-SHANTE: Chapéu (?), ajustável, de tecido macio, usado pelos Escoceses.
(2), Gordon Rottman, in Osprey, Elite Series n" 22, Londres. 1989.
(3), Embora em alguns dicionários "maroon" signifique castanho, a cor "maroon" é, de facto, cremim, muito aproximado do vermelho. Será um "vermelho escuro".
(4), Com efeito, em 1959, uma "publicação da Força Aérea Portuguesa para os Soldados de Portugal" referia que:
"Para o distinguir do resto das Forças Armadas, só ele (o pára-quedista tem direito a usar a "BOINA VERDE". Onde vires um militar de boina verde estás a ver um militar corajoso e com amor à sua Pátria"
Além disto foi feita análise exaustiva aos uniformes militares portugueses desde o início do séc. XVIII e não se vislumbrou uma única boina até 1955.
(5), Gen. Kaúlza de Arriaga in "História das Tropas Pára-quedistas Portuguesas" vol. III, BCP 21, CTP.1
(6), Relatório do Governo de Timor, Presidência do Conselho de Ministros. Lisboa 1981.

 

(*), A versão aqui descrita foi relatada por diversas personalidades com funções nas Tropas Pára-quedistas. Não foi possível, no entanto, confirmar documentalmente o sucedido.


Bibliografia consultada
- A Mulher nos Céus de Portugal, J. Dinis Ferreira, Lisboa, 1986.
- História das Tropas Pára-quedistas Portuguesas, Lisboa, 1988.
- Osprey, Elite Series, nº 22, Gordon Rottman, Londres, 1989.
- A Legião Estrangeira, Erwan Bergot, Paris, 1972.
- Relatório do Governo de Timor, Presidência do Conselho de Ministros, Lisboa, 1981.

Com base no artigo do Cap SGPQ Miguel Silva Machado
Publicado na Revista "Boina Verde" Nº 155 – Dezembro 1990

 

As Fitas Pretas

 

“FITAS PRETAS”: PROFUNDO SIGNIFICADO HISTÓRICO

Outra tradição cinquentenária que sempre acompanhou o uso da mítica BOINA VERDE é, as duas fitas pretas pelo elevado simbolismo e incontornável significado histórico que transportam:

“…as fitas pretas da boina, são usadas em sinal de luto, recordando a Batalha de Arnhem (Operação MARKET-GARDEN), localidade dos Países Baixos onde os pára-quedistas aliados sofreram mais de 10.500 baixas entre mortos e desaparecidos." (2)

A Operação com o nome de código «MARKET-GARDEN» foi a maior operação aerotransportada das Forças Aliadas durante a 2ª Guerra Mundial.

Desencadeada no período compreendido entre 17 e 25 de Setembro de 1944, tinha como objectivo táctico capturar uma série de pontes sobre os principais rios dos PAÍSES BAIXOS que estavam sob ocupação alemã.

Esta acção militar contou com a participação das seguintes unidades pára-quedistas integrantes do 1º EXÉRCITO AEROTRANSPORTADO (1st AIRBORNE ARMY):

- 82ª DIVISÃO AEROTRANSPORTADA (EUA);

- 101ª DIVISÃO AEROTRANSPORTADA (EUA);

- 1ª DIVISÃO AEROTRANSPORTADA (REINO UNIDO);

- 1ª BRIGADA INDEPENDENTE DE PÁRA-QUEDISTAS (POLÓNIA).

Apesar das unidades pára-quedistas envolvidas terem cumprido as principais missões atribuídas, ocupando com êxito as primeiras pontes, a operação saldou-se por um fracasso parcial, e os pára-quedistas sofreram um elevado número de baixas: REINO UNIDO (6.484); EUA (3.974) e POLÓNIA (102).

Muitos destes militares foram, ao contrário do que estabelece a CONVENÇÃO DE GENEBRA, cobardemente aniquilados ainda durante a sua descida em pára-quedas.

A campanha foi de tal maneira admirada nos quatros cantos do globo que ainda hoje, todas as TROPAS PÁRA-QUEDISTAS organizadas do mundo inteiro, independentemente da cor da boina adoptada, usam as duas fitas pretas em homenagem aos caídos nesta épica batalha.

Este histórico e profundo significado que as duas fitas pretas encerram foi, posteriormente, estendido a todos os mortos pára-quedistas nacionais caídos em acções de combate.

 

 

Com base no artigo do Saj Sucena do Carmo

Poderá visualizar todo o artigo clicando aqui
 


Top